Cães Alérgicos

Olá pessoal! Hoje o post é sobre alergia… Só quem tem um cachorro alérgico é que sabe as dificuldades e o trabalhão que dá mantê-los sempre bem! A Catarina mesmo é alérgica desde pequena e eu tenho que tomar cuidado com várias coisas, desde a ração que ela come até os objetos que ela tem contato.

Fonte: Google Imagens

Fonte: Google Imagens

Nos cães, a alergia acontece quando o animal entra em contato várias vezes com uma substância que desencadeia uma reação de hipersensibilidade que não acontece nos outros animais sem predisposição genética. Geralmente ela começa a acontecer quando o animal tem de 1 a 3 anos, e o que eu percebo é que os episódios alérgicos vão ficando cada vez piores. Começam apenas com o prurido e dependendo da frequência se tornam casos de angioedema e urticária sérios.

Os alérgenos mais comuns são os ácaros, poeira, pólen, pulgas e as proteínas dos alimentos (hipersensibilidade alimentar). O difícil nos casos de alergia é identificar o que causa esse problemão todo para que possamos tirar o alérgeno do contato direto com o animal e controlar essa reação descontrolada do sistema imunológico.

Em casos mais complicados, nem a medicação dá conta de resolver isso tudo. A Catarina no seu último episódio não conseguiu controlar os sinais da alergia nem com corticóide injetável e anti-histamínicos em doses enormes, porém, essa foi a primeira vez que ela teve que tomar remédios mesmo, nas outras vezes geralmente a alergia na pele dela cessava sem medicação. Alguns animais vivem a vida inteira nesse impasse… Os medicamentos indicados não fazem efeito nenhum e os proprietários se encontram numa estrada sem saída onde vêem seus animais ficarem tristes, cheio de lesões pelo corpo e se coçando até causar feridas na pele.

Infelizmente essa é uma condição pela qual você e seu animal terão que conviver pelo resto da vida! Existem alguns testes intradérmicos que nos ajudam a descobrir o alérgeno e direcionar o melhor tratamento para cada indivíduo. Em casos onde já se sabe o que causa a alergia, o animal deve passar por algumas restrições para que as reações de hipersensibilidade não aconteçam (limpeza constante do ambiente, controle das pulgas e carrapatos, mudança da ração, evitar contato com as plantas e flores, etc).

Geralmente as reações alérgicas vem acompanhadas de coceira intensa que causam feridas na pele, lambedura das patas, urticária (lesões avermelhadas na pele, geralmente na região da barriga e axilas), angioedema (inchaço- do rosto principalmente), as famosas “pelotinhas” que aparecem pelo corpo do animal e até alopecia (falta de pêlo em algumas regiões do corpo- muitas vezes de tanto o animal se coçar).

O tratamento básico da alergia se dá através da administração de corticóides e anti-histamínicos. Deve-se retirar qualquer objeto de tecido que o animal possa entrar em contato como as caminhas, tapete, cobertas, etc. A ração pode ser trocada por uma hipoalergênica (geralmente os cães aceitam bem essa ração). No caso dos alimentos, o principal problema são as proteínas contidas na ração, que geralmente são provenientes da carne de boi ou de frango e que na ração para os cães alérgicos vem substituídas pela carne de salmão ou cordeiro, por exemplo. Caso você já tenha tentado usar essas rações, uma outra opção é a dieta caseira (acessem o site do Cachorro Verde, lá tem todas as informações sobre a dieta caseira e alimentação natural, muito interessante!).

Caso seu animal seja alérgico, não desanime! Nada está perdido! A ciência tem evoluído e várias soluções estão começando a aparecer para ajudar a tornar nossos cãezinhos cheio de “frescuras” em animais mais saudáveis e confortáveis com sua condição especial.

Caso tenham alguma dúvida sobre o assunto deixem um comentário ou mandem um e-mail para: blogpawsnclaws@hotmail.com. Ficarei feliz em responder e ajudar todos vocês!

Até mais!!!

Ansiedade de Separação

Olá! Como foram de feriado? Hoje voltamos a todo vapor com um post da nossa colaboradora Juliana, que é adestradora aqui em Maringá.

Para quem participou do sorteio das plaquinhas de identificação, o resultado do sorteio está na nossa fanpage, confiram!

Fonte: Google Imagens

Fonte: Google Imagens

Os cães são animais sociais, gostam de manter contato com pessoas, outros cães, alguns até são melhores amigos de gatos! A ansiedade de separação aparece quando os donos não estão em casa ou estão em casa, mas o cãozinho não tem acesso a eles. Os sinais da ansiedade de separação são vocalizações, escavação em portas e mastigação de objetos pessoais dos donos, pois estes trazem o cheiro e a lembrança dos mesmos, ansiedade nas horas de saída dos donos(inquietação, choros, depressão, isolamento), euforia exacerbada na chegada dos donos.

Quando um filhote chega em casa é normal que chore, lata e até uive para chamar os membros da matilha, mãe e irmãozinhos, ignore essas vocalizações, em dois ou três dias ele para, caso você atenda esses choros o cãozinho perceberá que isso traz você até ele, fique um tempo com o filhote no local onde ele vai ter que ficar e saia por períodos curtos e volte, nunca volte quando ele estiver chorando! Brinque com ele no local e dê a comida ali mesmo  pois assim quando tiver que ficar sozinho ficará tranquilamente pois ali só tem lembranças  de coisas positivas.

Animais mimados que tem atenção na hora que solicitam estão mais propensos a ter ansiedade de separação, por isso, o cão deve ter certa independência, deve conseguir ficar sozinho mesmo com a presença dos proprietários.

Outro cão na casa pode ajudar,  mas também pode aprender a se comportar como o cão com ansiedade de separação, eu particularmente sugiro que se tenha uma melhora comportamental primeiro para depois introduzir outro animal na casa, pois a presença de outro animal não substituirá a falta de um membro da família, e o problema pode ficar maior do que era.

Então pense bem antes de atender os choros do seu cãozinho, a não ser quando ele está em perigo ou com sede e fome por exemplo.

Boa sorte!

Envenenamento em Cães

Fonte: Google Imagens

Fonte: Google Imagens

Infelizmente essa semana perdi um paciente por envenenamento criminoso. Desde que me formei (e olha que não fazem nem 6 meses), acho que já atendi 3 casos de envenenamento- 1 por picada de cobra, 1 por mordida de sapo e agora um por veneno de rato. No caso dos acidentes com cobras e sapos não existe um “culpado”, mas isso não faz o quadro ser menos triste. O sofrimento do animal é muito grande. Nos casos de envenenamento criminoso por veneno de rato e outros tipos de praguicidas, fico pensando o tamanho da maldade no coração da pessoa para envenenar um animal que nunca lhe fez nada. E o pior é que isso é mais comum do que a gente imagina.

Posso afirmar como veterinária que o sentimento de perder um animal em um quadro desses é horrível. Na maioria dos casos, o animal já chega muito ruim e não há muito o que fazer, a morte é muito rápida e dolorida. Nós veterinários sabemos que se sentir incapaz de salvar um animal é um dos piores sentimentos que podemos sentir, afinal de contas, o objetivo da nossa profissão é justamente o oposto.

Um dica que eu posso dar aos proprietários é: ao desconfiar que seu animal foi envenenado leve-o imediatamente ao veterinário! Em um caso desses alguns minutos fazem a diferença! Não tente procurar no google um tratamento, ou ligar para o colega pra saber o que fazer. Ligue para seu veterinário, é ele quem vai tentar reverter o quadro pelo qual seu animal está passando. E nos casos das cobras e sapos, quanto mais informações você conseguir passar ao veterinário sobre o acidente (características da cobra, etc), melhor! Existem diversos tipos de cobras e os efeitos que seus venenos causam são diferentes.

Caso você tenha aquele famoso “vizinho que não gosta de cachorros”, redobre a atenção nos momentos em que seu animal vai ao quintal ou sai para passear. Muitas vezes o envenenamento acontece quando o animal encontra aquele pedaço de carne suculento dando sopa ou outro tipo de petisco dado com o veneno dentro.

Nunca tente provocar o vômito do animal em casa. Ao perceber os sinais neurológicos e comportamentais que os envenenamentos causam leve-o ao veterinário. Ele poderá decidir se o vômito é a melhor maneira de se eliminar o veneno. Muitas vezes trata-se de uma substância cáustica que não deve ser eliminado através do vômito podendo causar lesões na mucosa gástrica.

Quando usar venenos para rato, formigas, etc, deixe seu animal preso em um local seguro ou leve-o para outro lugar por algum tempo. Os cães são curiosos e todo cuidado é pouco!

 

Hipocalcemia em Cadelas

Fonte: Google imagens

Fonte: Google imagens

Hoje vamos inaugurar a sessão “Vida de Veterinária” com um assunto super interessante relacionado a um caso que atendi ontem no plantão: hipocalcemia em cadelas.

Ser mãe realmente deve ser padecer no paraíso, é cada uma que as mamãezinhas passam, e com as cadelas não é diferente! Além de todo o estresse que é o período de parto e pós-parto, diferente dos humanos, as cadelas “ganham” vários filhotinhos para cuidar (no caso, de 2 a 14 filhotes dependendo do tamanho da cadela), o que dificulta ainda mais a situação e faz com que a cadela fique um “trapo” literalmente!

Todo mundo sabe que os filhotes sentem muita fome e que o único alimento deles nos primeiros dias de vida é o leite materno. A produção desse leite pela cadela envolve um grande gasto calórico e de nutrientes que serão passados aos filhotes. É muito importante que nesse período de lactação a fêmea receba uma alimentação adequada e muitas vezes é indicado até o uso de suplementos vitamínicos para garantir o suporte nutricional que a nova mamãe precisa. Por outro lado, algumas cadelas que estão amamentando, geralmente entre a primeira e terceira semana pós-parto, sofrem de um quadro muito grave de hipocalcemia, onde os níveis de cálcio no sangue estão abaixo do normal.

Este quadro de hipocalcemia faz com que o animal não consiga manter sua atividade muscular normal. Geralmente a cadela em hipocalcemia não consegue ficar em pé, fica com os membros enrijecidos e esticados (o que na veterinária chamamos de tetania), tem fraqueza muscular, salivação excessiva, muita febre, pupilas dilatadas e pode chegar a ter convulsão. É um quadro muito agudo e que deve ser diagnosticado rapidamente pelo veterinário pois pode levar a morte.

O tratamento da hipocalcemia é feito com administração de cálcio e de medicamentos para controle da febre e convulsões. Caso você perceba que sua cadela que acabou de ser mãe esteja passando por sintomatologia parecida ou com algum outro sinal clínico leve ao seu veterinário de confiança. Como eu já disse, a fêmea nessa fase de lactação/amamentação deve ser cuidada com atenção e carinho para garantir que a mãe e os filhotes passem bem e fiquem saudáveis!

A gestação é uma fase “fisiológica” da vida da fêmea e nunca deve ser enxergada como doença, por mais que seja cansativo para a cadela cuidar de todos os filhotinhos e amamentá-los, isso faz parte do instinto materno dela e de sua natureza. Nós como proprietários e médicos veterinários devemos apenas interferir neste processo para “corrigir” algumas alterações que possam acontecer e devolver o conforto ao animal, não o deixando sofrer em momento algum!

Beijos

 

Coprofagia

20130519-164515.jpg

Hoje temos mais um post sobre comportamento escrito pela nossa colaboradora Juliana, que é adestradora. Muitas pessoas me pediram um tema específico: coprofagia. Vamos lá?

Isso é muito estranho e nojento para os donos, mas para eles (nossos queridos cãezinhos!) pode se tratar de uma questão fisiológica ou comportamental.

A coprofagia (ato de comer fezes) em cães pode ter vários motivos. Um deles pode ser o fator nutricional, no caso de uma má nutrição, em que a ingestão de fezes é adotada como uma forma de adquirir proteínas, fibras parcialmente digeridas (fezes de cavalo, por exemplo), vitaminas, ou uma forma de comer de novo aquela tão gostosa ração oferecida. Outro motivo pode ser o ócio: cães sem muita atividade podem criar o hábito de comer suas próprias fezes, começam brincando com elas, e finalmente, passam a comê-las, é como se fossem aquelas gomas com formas de boca pra gente!

Fazendo uma relação com o post passado, quando o cão recebe uma bronca por ter feito as necessidades no local errado pode, por um lado, começar a fazer as necessidades em lugares escondidos sem que você veja ( debaixo da mesa, atrás do sofá por exemplo) ou, por outro lado, escondê-las na boca e assim começar a comê-las…

Se a coprofagia ainda está no começo, melhor! Agora, se ela está em um estágio muito avançado, seja firme!

Talvez a única solução seja não permitir o acesso do seu cão às fezes, isso quer dizer que você terá que controlar a comida para controlar o horário das evacuações, É, não é fácil, mas calma! Esse controle pode virar um hábito!

Para os casos mais “leves” existem alguns produtos que deixam as fezes com um sabor horrível, impedindo o consumo das mesmas. Pode-se também incentivar uma aversão do cão às fezes, colocando pimenta nos excrementos ou produtos com gosto amargo e que, é claro, não sejam tóxicos!

Se o seu cachorro apresenta esse paladar tão exótico, aproveite a hora do passeio e ofereça petisco a ele antes que tente comer as fezes, assim ele sempre vai esperar o petisco e não vai querer comer as fezes!

Vale lembrar que cadelas em maternidade podem ingerir as fezes dos seus filhotes até 9 semanas de idade para limpeza do local onde estão aninhados. Isso é completamente normal e evita doenças, insetos e, na natureza, predadores!
Até mais!

Juliana Lozada
Adestradora
julianaplozada@gmail.com

Sorteio TAGuiado

Imagem

Vocês já conhecem a TAGuiado? É um e-commerce de plaquinhas de identificação para os cães! Como já falamos aqui, as plaquinhas de identificação são muito importantes pois oferecem a segurança de que, caso seu cão se perca, seja encontrado e com as plaquinhas contendo suas informações, volte para casa!

Para fazer o pedido da sua plaquinha é só entrar no site, onde você escolhe seu modelo, o que quer gravar na plaquinha e pronto! É só aguardar seu pedido chegar em casa! Olhem só alguns modelos:

34995_246242102189131_670006811_n (1)

Muito legal né? Além dessa super dica, vamos sortear 1 plaquinha e 3 cupons de 50% de desconto para nossos leitores! Viu só? Para participar do sorteio é muito fácil:

1- você deverá curtir a fanpage do BLOG e da TAGuiado no facebook:

Blog Paws ‘n Claws

TAGuiado

2- comentar nesse post aqui no blog: “Eu quero uma plaquinha TAGuiado!”

3- marcar 3 amigos que também amem animais na fanpage. Dica boa deve ser compartilhada, certo?

Pronto! Cruzem os dedos e boa sorte!

O resultado sai na próxima sexta-feira dia 24!

A TAGuiado também está presente no instagram: @taguiado.

Mitos sobre os cães

Imagem Hoje vamos falar sobre alguns mitos sobre os cães que deixam os proprietários com a “pulga atrás da orelha”. Vamos lá!

1- Cães de raça podem ser erguidos pela pele (como se fazem com os gatos): mito. Muitas pessoas acreditam que cães de raça não sentem dor… Eles sentem dor como os vira-latas, como os gatos e como você! Quando são filhotes, todos os cães são manipulados por suas mães pelo pescoço (ela puxa ele daqui e joga pra lá, etc), mas isso não te dá o direito de fazer a mesma coisa, principalmente se seu cão é um rottweiller de 50 kg! Puxar a pele do cachorro causa dor e pode machucar, ele tendo raça e pedigree ou não. Então não o maltrate!

2- Cães não foram feitos para ficar dentro de casa, eles precisam de espaço e preferem muito mais ficar no quintal: mito. Por incrível que pareça os cães gostam de ficar onde seu dono está ou com outras companhias. Tudo deve ser muito bem equilibrado. Deve-se existir o momento do passeio e o momento de ficar em casa. Um cão não precisa ficar 24 horas por dia dentro de casa como também não precisa ser esquecido no quintal.

3- O focinho do cachorro revela como esta sua saúde: mito. Várias vezes os proprietários nos trazem seus bichos porque estão com o focinho muito seco, muito molhado, muito gelado, etc. O focinho do animal pode estar quente e seco sem que isso indique nada, e também pode estar molhado sem indicar que ele esteja doente! Diferente de casos onde o focinho perde sua cor, tem escamações, lesões e rachaduras que podem ser causados por algumas doenças ou alterações na pele.

4- Os cães só enxergam em preto e branco: mito. Os cães enxergam colorido sim, a única diferença é que não conseguem diferenciar algumas cores como o verde e vermelho. Outra diferença é que os cães enxergam muito melhor do que a gente no escuro, porém, eles não tem muita qualidade na visão em relação a profundidade e para enxergar as coisas de longe.

5- 1 ano de vida do cão equivale a 7 anos de vida humana: mito! Esta questão da idade canina x idade humana é variável. Geralmente cães menores vivem mais do que os cães gigantes, ou seja, 1 ano de vida de um cão pequeno equivale a menos anos de vida humano. Veja a tabela abaixo:

Imagem

Dúvidas?

Entrem na nossa página no facebook: http://www.facebook.com/blogpawsnclaws

Não perca seu cão: use plaquinhas de identificação!

2012-11-15_1353022847

Sempre tive problemas com a Catarina porque ela é muito fujona… Não sei se é um instinto dela, se ela se desespera na rua ou se ela é mal criada mesmo, mas já fugiu diversas vezes!

Quando fui para os EUA fazer meu estágio curricular reparei que todos os animais (sem exceção) usavam as plaquinhas de identificação e a grande maioria também tinha o microchip. Estas plaquinhas tinham: o nome do animal, o nome do proprietário, telefone para contato, cidade e muitas vezes até o endereço. Então quando os cachorrinhos e gatinhos abusados fugiam de casa e eram encontrados logo seu dono era comunicado! Fui então até o Pet Smart que tinha na minha cidade e mandei fazer uma plaquinha para a Catarina com meu nome, telefone e cidade em que moro.  Ela adora usar a coleira dela no pescoço, não se sente incomodada e eu sempre procuro trocar a coleirinha para dar um charme a mais. Se seu animal usa coleira com frequência (ou seja, não tira do pescoço como a Catarina) procure comprar uma coleira confortável e não muito fina e nem muito grossa.

Infelizmente não existe Pet Smart no Brasil, lá eles possuem uma máquina que grava o que você quiser na plaquinha em 1 minuto! Você compra a plaquinha que quiser, coloca na máquina e tcharan: tudo pronto!

A alternativa que temos é comprar as plaquinhas em um Pet Shop e mandar gravar como fazemos com canetas, jóias, etc. De preferência procure uma plaquinha resistente e que a gravação fique bem visível.

No caso do microchip, ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, ele não é um GPS! O microchip funciona como um  “banco de dados” onde as informações do animal são guardadas e caso seja encontrado por alguém ou levado a uma clínica, por exemplo, que tenha um leitor de microchip, essas informações podem ser acessadas e o dono contactado. O processo de microchipagem é indolor e muito seguro.

Ao meu ver, é melhor garantir seu animal com a plaquinha, infelizmente no Brasil ainda não temos muito acesso ao microchip e muitas vezes se seu animal o tem pode ser que não tenha muita serventia pois não é todo mundo que tem um leitor não é mesmo? A plaquinha assegura que todo mundo que encontrar seu animal consiga ler suas informações!

Dúvidas?

Confira nossa página no facebook: http://www.facebook.com/blogpawsnclaws

Tchau mal hálito!

Imagem

Quem nunca reclamou pro veterinário que o cachorro estava com “bafo”? Ou que percebeu que os dentes do seu animal estavam muito sujos? Com aquela aparência esverdeada?

Os animais, assim como nós, também precisam que seus dentes sejam escovados com frequência (de preferência todos os dias). A boca é um local cheio de bactérias e juntamente com o acúmulo de alimentos que ficam presos entre os dentes forma-se o tártaro. O tártaro é o responsável por essa placa escura que se forma em cima do dente e pelo mal hálito, além de, ser fonte de infecção e levar a ocorrência de vários outros problemas como: gengivite, periodontite e problemas mais graves (infecções nos rins, coração e fígado).

Mas calma, nem tudo está perdido! Caso seu animal já tenha tártaro e mal hálito, procure seu veterinário, nestes casos a limpeza de tártaro é o procedimento mais indicado, e ele te explicará melhor sobre como este processo é feito.

Se seu animal é novo e você quer introduzir a escovação na rotina de cuidados dele, o segredo é começar aos poucos. Geralmente em um primeiro momento o animal acha estranho a escovação e isso o incomoda um pouco. Vamos começar pela escolha da escova: existem dois tipos de escova para os animais: a tradicional (como a nossa) e uma escova colocada no dedo, que na minha opinião é a mais fácil de ser utilizada. A escova é essa aqui:

ImagemApós a escolha da escova, vem a grande dúvida: qual pasta dental usar? Nos pet shops, existem pastas especiais para os cachorros, que podem ser engolidas e que vem com diversos tipos de sabores. Escolha a de sua preferência ou uma indicada pelo seu veterinário. Lembrando que as pastas para humanos não podem ser usadas pois seu cão não consegue cuspir, e essa pasta pode causar problemas gástricos se for engolida.

Para tornar a escovação menos traumática, comece passando a escova apenas nos dentes do animal ou seu dedo, veja como ele reage, não o assuste- esse primeiro momento é importante para que ele não tenha uma imagem “negativa” da escova e do ato de escovar os dentes. Caso a aceitação seja boa, coloque a pasta e inicie a escovação em todos os dentes (do lado de fora e de dentro). A melhor coisa a ser feita é que os dentes do seu cão comecem a ser escovados a partir dos 3 meses, assim ele vai acostumando e achará esse processo todo normal!

Beijos!

Nossa página no facebook é: http://www.facebook.com/blogpawsnclaws

Educando seu filhote

Imagem

Hoje nosso post é especial! Teremos a participação da Juliana, uma adestradora daqui de Maringá dando dicas sobre como ensinar seu novo filhote a fazer suas necessidades no lugar certo. Vamos conferir?

Você está com um filhote em casa? E agora? Como ensinar o local certo para ele fazer as necessidades? Este é um dos primeiros problemas que os donos enfrentam quando chega um filhote em casa.

Até aproximadamente dois meses os filhotes não tem domínio sobre a defecação e micção, por isso sua casa vai parecer um banheiro gigante até essa fase! Mas calma, é temporário! Espalhe jornal ou tapetes higiênicos em vários pontos da casa, sala, cozinha, copa, quartos, corredor, para que na hora de fazer as necessidades tenha sempre um local adequado para o cãozinho se aliviar, sempre que ele fizer as necessidades no local certo elogie, dê carinho, faça de tudo para ele entender que te agradou, se ele errar a mira, coloque-o em outro cômodo, limpe a sujeira sem ele ver, pois vendo você limpar na frente dele pode começar a errar a mira para chamar sua atenção! Sim, é verdade, são muito espertos!

Uma dica também é retirar os tapetes da casa, pelo menos até que o filhote aprenda a fazer as necessidades no local certo, lugares absorventes são muito atraentes!

Com mais de dois meses o filhote já consegue ter um controle maior sobre a defecação e a micção, durante o processo vá “arrastando” o jornal ou tapete higiênico de pouco em pouco até chegar o local definitivo da evacuação, lembrando que esse local deve ser oposto ao local onde ficam a água e a comida, você não vai comer no seu banheiro não é!?

Boa sorte com seu novo membro da família!

Juliana Lozada Tenório

Adestradora

e-mail: julianaplozada@gmail.com

Tel: (44)9943-8500